Pesquisar este blog

Recebe as atualizações no seu e-mail

21 de dezembro de 2011

Policiais paranaenses vão ao Rio Grande do Sul para matar policial gaúcho


Com informações de Lucas Azevedo e Rafael Moro Martins
Imagens Ilustrativa
Um policial militar gaúcho foi morto com cinco tiros de fuzil disparados por agentes da Polícia Civil do Paraná na madrugada desta quarta-feira (21), em Gravataí (região metropolitana de Porto Alegre). Os policiais paranaenses estavam no Rio Grande do Sul em serviço, mas as autoridades gaúchas não haviam sido informadas.


Conforme relato dos agentes do Paraná, eles estavam em um veículo Renault Logan quando foram abordados por um homem de motocicleta na avenida Planaltina, próximo à ERS-020, por volta de 1h30. Segundo os policiais paranaenses, o motociclista, que não se identificou, começou a atirar, e eles revidaram.


O motociclista era o sargento da Brigada Militar Ariel da Silva, 40, que estava à paisana. Silva era agente do serviço de inteligência da Brigada Militar na cidade e possuía 21 anos de corporação.


A Polícia Civil gaúcha investiga o caso. Preliminarmente, há na cena do crime elementos que contradizem o testemunho dos policiais civis paranaenses. Eles teriam disparado mais tiros do que disseram.


A Polícia Civil do Paraná divulgou uma nota na manhã desta quarta-feira lamentando a morte do sargento e afirmando que não se pronunciará no momento a respeito. Conforme o documento, a equipe que se envolveu no tiroteio era do Grupo Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial) e fazia uma investigação sigilosa de uma quadrilha acusada de praticar extorsão mediante sequestro.


“Ao chegar ao município, por volta de meia-noite de hoje (quarta 21), os policiais, armados de pistola, relataram que estavam sendo seguidos por um homem em uma motocicleta. Até que, em um semáforo, o homem abordou o veículo dos policiais. Houve troca de tiros”, descreve a nota.


Os policiais paranaenses solicitaram socorro ao sargento e prestaram depoimento na Delegacia Regional de Gravataí. Os agentes voltaram ao seu Estado de origem, deixando no Rio Grande do Sul suas armas e o veículo, para a perícia.

Fatalidade
O delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Marcus Vinícius Michelotto, disse lamentar o episódio, que classificou como “fatalidade”, e disse que ele coloca em risco as investigações que os paranaenses faziam em Gravataí.


“[O incidente] atrapalha bastante a investigação, pois haverá divulgação pela imprensa e pela polícia local. E temos uma pessoa, sequestrada no Paraná, ainda em cativeiro”, disse.


Para ele, não houve erro no procedimento adotado pela polícia paranaense no caso, que informaria os gaúchos da ação durante a manhã. “Faríamos contato com a polícia local pela manhã. O procedimento foi perfeito”, afirmou Michelotto. “Mas antes houve esse desacerto, essa sequência de erros [referindo-se ao tiroteio].”


O delegado-geral preferiu não comentar a reação dos policiais paranaenses à abordagem do brigadiano. “Não estava lá na hora, não tenho como dizer [se a reação foi precipitada]. Lamentamos o ocorrido, que tratamos como um incidente.”

Filled Under:

0 comentários:

Postar um comentário

Google+ Badge

Show da Tarde - Vídeos

Nós no Facebook

Tiago Prado | Promova sua página também

Veja também


 

About US